História

A Câmara Municipal de Petrópolis foi instalada em 17 de junho de 1859, ainda no período imperial e é um dos mais exemplares colegiados do Estado do Rio.

No dia 7 de junho de 1892, o “Conselho da Intendência” publicou edital na Gazeta de Petrópolis, convocando eleições e dividindo o eleitorado em seções. Nesse período, a cidade tinha aproximadamente 30 mil habitantes. E em 30 de junho de 1892, a primeira Câmara Municipal do período republicano foi eleita.

Até 1916, quando Oswaldo Cruz foi nomeado o primeiro prefeito de Petrópolis, a Câmara Municipal funcionava tanto como Legislativo quanto Executivo do município.

 

Aquisição do Palácio Amarelo

 

Em meados do século XIX, José Carlos Mayrink da Silva Ferrão, um servidor da Casa Imperial, construiu uma casa de verão em Petrópolis, como era o costume da época. Em 1891, após o falecimento de Mayrink, a viúva Maria Emília Bernardes Mayrink vendeu o solar a Francisco Paulo de Almeida, o Barão de Guaraciaba.

A verdade é que desde os tempos de Império, a Câmara Municipal tinha interesse em comprar o palácio, mas as tentativas eram sempre frustradas, pois o Barão sempre negava a venda. Em 17 de junho de 1981, o Barão tomou conhecimento de que um mercado público havia recebido autorização para se instalar na praça (atualmente conhecida como Praça Visconde Mauá) em frente ao solar.

Quando o projeto do mercado fracassou, vários outros foram apresentados, incluindo a instalação de uma feira de exposições e a construção de um Paço Municipal bem em frente ao solar, o que finalmente convenceu ao Barão a vender seu prédio.

A Câmara Municipal fez diversas intervenções no Palácio para adapta-lo às necessidades, incluindo a construção de um salão destinado às sessões, o Salão Hermogênio Silva.

Em fevereiro de 1962, foi inaugurada pelo vereador Miguel Pachá a Galeria dos Ex-Presidentes da Casa Legislativa. O Palácio Amarelo é aberto todos os dias para visitação.

 

 

 

 

Para o download do documento final do Projeto Recuperação da Memória Histórica do Legislativo Petropolitano

Clique Aqui

.

 

Desenvolvido por José Mário Quintella