Em uma nova reunião que ocorreu na tarde desta terça-feira (09.04), o presidente da CPTrans, Jairo da Cunha Pereira, recebeu das mãos do presidente da Comissão Especial que trata de questões relacionadas ao contrato da empresa Sinal Park, vereador Jamil Sabrá (PDT), um documento solicitando documentos e informações relacionadas ao processo licitatório e funcionamento do estacionamento rotativo na cidade.

“É de suma importância que tenhamos essa documentação para realizarmos uma profunda análise deste serviço. Lembro sempre que a empresa é alvo constante de reclamações de petropolitanos e turistas. Vamos apurar de forma criteriosa e isenta todos os aspectos e trâmites para a instalação desse serviço no município, pois queremos ter as respostas aos questionamentos de boa parte da população”, aponta o vereador Jamil Sabrá.

Entre as 14 solicitações promovidas pela Comissão Especial estão o pedido de encaminhamento do Edital de Licitação, com indicações e qualificações dos membros que deram parecer ao mesmo e suas justificativas.

Também são pedidos o nome do gestor da CPTrans à época, cópia do contrato firmado com a empresa ganhadora, número de parquímetros instalados e quantos aceitam cartões de débito e crédito, valor da concessão e comprovante de pagamento das vagas do início do contrato até o final de 2018. Entra ainda o pedido de cessão do Plano Tarifário com respectiva justificativa da base de cálculo, quantas vagas são oferecidas para as áreas branca e azul, número de veículos em média que utilizam o estacionamento, média diária de notificações de multa e a sua fundamentação legal para sua aplicação.

A Comissão Especial ainda solicitou o número de funcionários contratados e qual regime de contratação, como funciona o Call Center e a média de reclamações do SAC.

Participam da Comissão Especial o vereador Fred Procópio (PSDB), que é o relator, vereador Professor Leandro Azevedo (PSD), vereador Silmar Fortes (MDB) e vereador Marcelo Lessa (SD). A Comissão tem 180 dias de prazo para encerrar as investigações e apresentar um relatório detalhado e, para o caso de encontrar irregularidades, cobrar a CPTrans e o Executivo para que tomem as devidas providências.