André Fontes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região lembrou a importância de Petrópolis como pioneiro no país no tratamento da água e esgoto
O desembargador André Fontes não tem dúvidas: apoiar o saneamento básico como um instrumento para combate de doenças e desenvolvimento social é necessário para que o Brasil possa eliminar alguns dos seus maiores males na área da saúde. Foi o que expôs nesta sexta-feira (18/9) em debate ao vivo, promovido pela Câmara Municipal de Petrópolis. O magistrado falou, em vídeo-conferência, sobre aspectos jurídicos e até históricos sobre o tema.

André Fontes, que também é professor universitário, lembrou os primeiros passos da implementação da política de saneamento básico iniciado no Brasil ainda na época da monarquia. O Rio de Janeiro, então Capital Federal, sofria com o esgoto a céu aberto e a consequência direta do problema era o surgimento de inúmeras doenças. No entanto, esse quadro começou a mudar no início da República quando o então presidente, Rodrigues Alves, nomeou para prefeito Francisco Pereira Passos, que deu início ao processo de cuidar dos dejetos jogados nos rios e nas praias, além do tratamento adequado da água potável.

Num debate que durou aproximadamente duas horas e que foi conduzido pelo diretor de controle interno da Câmara Municipal, Fábio Alves Ferreira, Fontes criticou a falta de políticas de saneamento em todo o país e cobrou mais soluções dos legisladores e dos executivos municipais para esse problema que aflige milhões de brasileiros.

Ao criticar a atual situação da CEDAE, no Rio de Janeiro, ele afirmou que deveria existir mais de uma concessionária para cuidar da água e esgoto do estado. "Como pode uma empresa apenas atuar no setor? A concorrência pode oferecer melhores preços e um trabalho de melhor qualidade a população" disse Fontes.

Morador do bairro Carangola, André Fontes que recebeu o Título de Cidadão Petropolitano em 2017 e já ensinou direito durante anos em uma universidade local, fez questão de resgatar a atuação dos imperadores Dom Pedro I e II no trabalho de saneamento básico no município. Segundo o desembargador, a Cidade Imperial chegou a ser chamada de "Roma dos Trópicos" - o Império Romano foi a primeira grande civilização que tratou o saneamento de fato.