A Câmara Municipal recebeu na tarde desta terça-feira (29/05) a Audiência Pública para apresentação do Relatório de Gestão de Saúde do município, referente ao primeiro quadrimestre de 2018. A apresentação foi mediada pelo vereador Justino do RX (MDB), presidente da Comissão em Defesa da Saúde.

A superintendente de Planejamento e Apoio à Gestão da Secretaria de Saúde, Suzana Papoula, iniciou a apresentação destacando as principais ações do quadrimestre. “Tivemos mutirões de cirurgias geral, vascular e urológica e de exames de endoscopia no Hospital Alcides Carneiro, a contenção do surto de conjuntivite com os atendimentos nos hospitais de campanha montados nas UPAs Centro e Cascatinha. Comemoramos também a cobertura vacinal contra a febre amarela de 89,55% da população e a implantação de duas equipes de Núcleo Apoio à Saúde da Família e Atenção Básica. Realizamos ainda a apresentação da PAS 2019 no Conselho Municipal de Saúde para aprovação e realizamos a Segunda Conferência Municipal de Políticas sobre Drogas, realizada nos dias 27 e 28 de abril”.

Conforme demonstrado na apresentação, o Hospital Alcides Carneiro fechou o quadrimestre com 226 leitos operacionais, alcançando 3.300 internações, 1.662 cirurgias, 16.561 urgências/emergências, 22.196 consultas ambulatoriais e 149.726 exames (diagnose, imagem e laboratoriais, além de sessões de hemoterapia e hemodiálise). Foram relatadas também as ações em andamento na unidade, como a habilitação da ressonância magnética, habilitação da cirurgia vascular de alta complexidade e da equipe multidisciplinar de terapia nutricional. A unidade realizou eventos como os mutirões de cirurgia geral, vascular, de exames de endoscopia e de cirurgia urológica.

O HAC totalizou 18.790 consultas no primeiro quadrimestre, 288 cirurgias ambulatoriais, com 3.333 procedimentos realizados. Segundo a apresentação, foram cumpridos 141% da meta pactuada.

O Dr. Claúdio Morgado, superintendente Hospitalar de Urgência e Emergência, relatou os números das UPAs. No quadrimestre a UPA Centro contabilizou 24.588 atendimentos de clinica médica, 11.448 de pediatria, 2.251 de assistência social, 38.614 de enfermagem, e 1.977 de odontologia, totalizando 78.878 acolhimentos.

Na UPA Cascatinha foram realizados 20.956 atendimentos de clínica médica, 8.161 de pediatria, 768 de assistência social, 20.670 de enfermagem e 1.284 de odontologia, chegando ao total de 51.839.

O superintendente falou sobre os atendimentos prestados com o surto de conjuntivite observado no município nos primeiros meses do ano. Os hospitais de campanha montados nas Upas Centro (com o apoio dos bombeiros) e Cascatinha (exército) atenderam 562 pessoas em janeiro, 1.759 em fevereiro, 10.645 em março e 3.361 em abril, totalizando 16.327 atendimentos.

Dr. Morgado destacou ainda a importância da utilização da classificação de risco nas unidades de pronto atendimento. “Precisamos falar também sobre o sistema de triagem. Na classificação de gravidade azul o tempo de espera pode chegar às três horas, na verde, 50 minutos, a classificação amarela com 30 minutos e a vermelha, casos mais graves, são prontamente atendidos. Essa informação deve ser disseminada o máximo possível, para que a população entenda o porquê da espera”.

No Hospital Municipal Nelson de Sá Earp foram realizados durante o quadrimestre 1.601 atendimentos em clínica médica, 15.446 em ortopedia e traumatologia, 2.220 em psiquiatria, totalizando 19.267 atendimentos. A unidade contabilizou 40.331 exames laboratoriais, 17.847 radiografias, 728 USG Geral, 232 Ecocardiogramas e 209 Doppler, com o total de 59.347. O HMNSE possui 62 leitos operacionais e chegou à média de 388 internações/mês durante o período. Foram agendadas 1.347 consultas de infectologia e 11.380 de ortopedia, totalizando 12.727.

A diretora administrativa do HMNSE, Daniela Lima, se referiu às melhorias que virão e a contenção de custos observada na unidade.  “Além de um tomógrafo e densitômetro, vamos receber ainda dois novos aparelhos de ultrassonografia por meio de emenda parlamentar. Seguimos envolvidos no sentido de otimizar recursos. Iniciamos 2017 com um gasto de R$ 2,4 milhões e chegamos a R$ 1,6 milhão, uma economia que o Hospital Municipal Nelson de Sá Earp tem conseguido manter”.

Justino do RX se mostrou otimista com os dados apresentados. “Tivemos uma apresentação que demonstra que apesar das dificuldades enfrentadas na pasta, os avanços estruturais e no atendimento seguem, mas vamos seguir fiscalizando e cobrando melhorias para a nossa saúde, para que possamos avançar ainda mais”, finalizou.